O primeiro título nacional do Benfica foi extorquido ao Barreirense

100514_cronica_silva_pais Reportamo-nos hoje à que no Barreiro foi a tão tristemente célebre temporada de 1929/30, quando ao Barreirensezinho foi simplesmente “rapado” o título de campeão nacional de futebol. Quase não dá para acreditar como a “coisa” se passou... (O que – como é óbvio – não se encontra devidamente reportado nos livros próprios, por ser - como tão amiúde se passa na política - “bastante incorrecto” escrever a verdade).


Os torneios máximos de futebol (em que o Benfica até então não se sagrara campeão!) eram disputados em eliminatórias, ainda não por pontos... Neste 1929/30, o Barreirense venceu o Distrital, levando a melhor no último encontro, em 22 Junho 1930, no Montijo, sobre o valoroso Vitória sadino por 3-0. Na final da relevante Taça Caridade, disputada em 2 Fev. 1930 no Campo Grande, o Barreirense superou à vontade o Sporting lisboeta por 5-1. (A tão bela Taça Caridade encontra-se em bem destacado posto no Salão de Honra do Ginásio-Sede).
 

Seguiu-se o Campeonato Nacional, tendo o Barreirense afastado sucessivamente os Unidos do Barreiro, o Comércio e Indústria, o Luso F. C., o União de Coimbra, o Boavista, o Sporting de Espinho, e derrotado na meia-final (em duas partidas) o Belenenses, campeão de Lisboa (!). E, sem qualquer derrota ao longo da temporada (!), o F.C.B. vai defrontar as águias lisboetas na finalíssima do nono nacional do desporto-rei. Agora... Segundo o regulamento, essa partida deveria ser disputada em campo neutro. Mas a Associação de Futebol de Lisboa marcou o encontro para o ... Campo Grande, o terreno de jogos do ... Benfica. O benfiquista João de Oliveira (um dos dois irmãos “Bananeiras”) estava suspenso por, semanas antes, ter agredido um árbitro em jogo. À última da hora, este Oliveira foi ... “amnistiado” do seu castigo de oito meses (!) a fim de poder alinhar na final contra o Barreirense. E – o que foi o cúmulo – para árbitro foi designado Silvestre Rosmaninho, um dos sócios mais antigos do Benfica (!). Os protestos do Barreirense caíram em saco roto.  


Em 1999 entrevistámos para outro semanário o keeper do F. C. B., o nosso tão saudoso amigo Francisco Câmara. É dele a frase: “O primeiro título nacional do Benfica foi extorquido ao Barreirense”, que aqui repetimos. Chico bem se recordava ... Quanto ao jogo, Zé “Toupeira” inaugurou o marcador para os camarros. O Benfica empatou, num lance ilegal sancionado por Rosmaninho em que adversários empurraram Câmara para dentro da baliza antes da bola entrar! No prolongamento, o ... “amnistiado” João “Bananeira” marcou o segundo tento benfiquista. Com tal arbítrio os barreirenses baixaram os braços. Veio o 1-3 final. E Chico Câmara adiantou: “Passados uns anos leu-se que ... Silvestre Rosmaninho ... fora galardoado pelo seu clube com a Águia de Ouro”. O seu a seu dono. E o Barreirense não foi, nunca seria campeão nacional. 
 

Esta “derrota suja” ficou para sempre cravada na garganta de barreirenses. Sentimos o dever de lembrá-la agora, quando do centenário. Bem, hoje, o poder dos “grandes” da bola, não se processa tão às claras... É mais refinado... (Note-se que estas facetas inconcebíveis referentes à finalíssima do Nacional de 1929/30 não se encontram reportadas no óptimo livro “70 anos de Vida do Futebol Clube Barreirense”, de Rosa Figueiredo).
 

Como treinador dos alvi-rubros continuava o insigne eng. Augusto Sabo (que em breve deverá ser incluído nos vinculadosaobarreiro.com). Jacinto Nicola Covacich encontrava-se à frente da Direcção do Clube. A Sede do F. C. B. ainda se situava no amplo primeiro andar do lado ocidental do Largo Casal.
 

Nota: Em 1934, o F.C.B. atingiria, pela segunda vez, a final do Campeonato de Portugal, tendo sido derrotado por 3-4 contra o Sporting. Quase na conclusão do tempo regulamentar, os rubro-brancos remataram à trave. Foi azar... Houve prolongamento, no qual o avançado-centro sportinguista – natural do ... Barreiro! – enfiou a sua quarta e última bola na baliza de Chico Câmara. Ora bolas..., para sempre.

 

In http://www.jornaldobarreiro.com.pt

Comentários  

RUI FALCAO DE CAMPOS
-15 # RUI FALCAO DE CAMPOS 19-02-2018 13:31
Portanto: levaram três golos. O vosso guarda-redes não sabia sair aos cruzamentos e, como ainda hoje sucede no futebol português, ao mínimo toque reclamava falta. E a culpa é do meu avô? Tende juízo, que vos fica muito mal difamar a memória dos falecidos.
Responder | Responder com citação | Citar
Jose
+6 # Jose 13-09-2018 23:33
Apenas um relato de um roubo, muito na linha do que vemos em 2018. #omelhorestaparavir
Responder | Responder com citação | Citar
Paulo S
+5 # Paulo S 13-09-2018 23:01
Uma vez corruptos, corruptos para sempre.
Beneficiados em mais que uma ocasião.
Escolha do campo, amnistia ao jogador, golo irregular...
Trafulhas desde 1904.
Responder | Responder com citação | Citar
Rui G
+2 # Rui G 17-09-2018 15:05
Qual 1904... até isso roubaram.... foi 1906... nem com a data da fundação os gajos acertaram... :D ;)
Responder | Responder com citação | Citar

Comentar


Código de segurança
Atualizar

Imagens

Último vídeo

Fabril - 1 x Barreirense - 2

Próximos eventos

sábado, 20 outubro 2018 - 09:00 -10:15 : FCB(B) - Almada 2015 (Infantis Sub-13)
sábado, 20 outubro 2018 - 09:30 -10:45 : Galitos - FCB(A) (Infantis Sub-12)
sábado, 20 outubro 2018 - 09:30 -10:45 : 1ºMaio Sarilhense - FCB(A) (Infantis Sub-13)
sábado, 20 outubro 2018 - 10:30 -11:45 : Sonho XXI(B) - FCB(B) (Infantis Sub-12)
sábado, 20 outubro 2018 - 10:30 -11:35 : FCB(A) - Stara Zagora (Benjamins Sub-11)
sábado, 20 outubro 2018 - 11:45 -12:50 : FCB(B) - Brejos Azeitão (Benjamins Sub-11)
sábado, 20 outubro 2018 - 15:00 -16:45 : Olhanense - FCB (Juniores)

Últimos comentários

  • Carlos Matos
    Exibição pobre para mim que ...

    Ler mais...

     
  • Rui G
    Qual 1904... até isso roubaram....

    Ler mais...

     
  • Jose
    Apenas um relato de um roubo, muito ...

    Ler mais...

     
  • Paulo S
    Uma vez corruptos, corruptos ...

    Ler mais...

Siga-nos no...

RSS youtube facebook twitter

Contactos - www.fcbarreirense.com